Joseni Melo Advogados Associados

Recife, Pernambuco, Brasil

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

A PROPÓSITO 1008 - FALA, MEMÓRIA - BOLSONARO NA ONU

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

MARCELO ALCOFORADO | A PROPÓSITO 1008 | 24 DE SETEMBRO DE 2019

 

Fala, memória- Bolsonaro na ONU

 

Enfim, aconteceu o tão aguardado discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU.  Segundo os relatos, há de estar robustecido o bloco dos que têm o presidente na conta de um arruaceiro ignorante, circunstancialmente eleito presidente da República, de quem são acerbamente criticados os modos rudes, as palavras cortantes, o vezo de dizer, sem autocensurar-se, tudo que lhe vem à mente.

Embora de biótipos diversos, é difícil não se comparar Jair Bolsonaro e Nikita Kruschev, ao menos no quesito polidez. Quer um exemplo?

O dia 13 de outubro de 1960 era, como hoje, o de abertura da assembleia da ONU. Lá fora os manifestantes, lá dentro os representantes dos principais países do mundo.

Nikita Kruschev, representando a poderosa União Soviética, criticava a influência ocidental na África, especialmente Inglaterra, França, Espanha, Portugal e Itália, que mantinham os países africanos sob sufocante regime colonialista.

Pouco tempo depois, chegada a sua vez no parlatório, Lorenzo Sumulong, chefe da delegação filipina, rebateu a crítica de Khruschev, dizendo que era a União Soviética, na verdade, quem tirava a liberdade e o exercício da democracia da população dos países do Leste Europeu.

O premiê russo, que se irritava a  cada palavra do filipino, no mesmo momento levantou--se transtornado e, gesticulando e mexendo os braços na direção de Lorenzo Sumulong, tomou-lhe o microfone e começou a chamar o filipino de idiota, palhaço e lacaio, acusando-o de subserviência ao imperialismo americano. O filipino continuou seu discurso, enquanto um irritado Khruschev, vez ou outra, esmurrava a mesa. O ápice, porém, ocorreu quando ele tirou um dos seus sapatos e exigindo atenção, com ele bateu vigorosamente na mesa, chamando a atenção dos presentes.

O ato foi noticiado em todo o planeta e não se viu por aqui nenhuma manifestação de censura.

E se Jair Bolsonaro fizesse o mesmo?

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar


Quem esta aqui

Nós temos 7 visitantes online

Notícias em Destaque